17 maio 2009

Imagine...

Chego agora a casa depois de uma chuveirada londrina nesta cidade com amores_perfeitos e per_vincas em liberdade, o ginkgo centenário ao lado das olaias em semente, um jantar de equipa coeso e sua cadela safira na casa verde e seco à lareira, conflitos de parentalidade discutidos ao casal d’estima, terminando com a image rave party na cave do galécia e o elemento esperado. Aguardando ansiosamente - Como te quero, meu Amor!

Desperto para um pequeno-almoço de improviso com a imagem do sol matinal iluminando o nosso fado e volto para a cama. E de novo a sua voz, suave, em segredo dos seus giros pela cidade, pela história construída por séculos em imagens que outros vêm ver – a realidade é muito melhor que as palavras. Roupa na máquina, aparo as patilhas, cozo peixe e legumes, pergunto à P pela lavagem do carro e por um abastecimento aberto, como e banho-me e visto-me. Pelo fresco da rua, subo à colina para café, regresso ao cachimbo de mármore e água que percorro por entre os locais, encho o cabaz e na volta lembro as gelosias, o camilo à porta e entro nos crivos – partes de corpos e casas, mulheres de olho atento nos dois pisos – trago o roteiro e subo ao castelo de ancestrais símbolos gravados, altivo – caixas de nós mesmos, uma carta de amor pela própria gravada ao ouvido, postais e polaroids reveladas em companhia - noto de novo as árvores da francisco sanches, o morais do riso junto ao báculo de são pedro, pequenas rosas_sangue que trepam os postes de luz, o museu já fechado e o parque de rodas e crianças e cães e bolas, de novo cumprimento as pessoas do prédio, o cheiro do jasmim intenso, descarrego a mochila, estendo a próxima mala no sótão e abro o pc para acolher-te calmo, depois de duas talhadas de doce abacaxi, meia banana, iogurte natural com doce de tomate, pelos jardins que amas. A claridade que surpreende as janelas neste fim de tarde traz o brilho e o fulgor desejados quando aqui coloco estas palavras...

4 comentários:

Paulo disse...

ai, como o amor surge e é belo!

um abraço enorme

Tongzhi disse...

Sempre variado e frenético!!!

Hydrargirum disse...

Nunca te tinha dito isto...mas tu escreves, como eu nao conheco ninguem a escrever assim...

Completamente impar em talento...so desejo que consigam ler/te na totalidade como tu mereces ser lido...e que nada se lhes escape!

Abraco

Nocturna disse...

Ophi,
Ler tudo o que escreves é sempre um prazer. Porque a tua escrita é um exercício de inteligência e sensibilidade.
Muito obrigada, por o partilhares connosco
Nocturna