27 abril 2009

Unfriendly_Fire

De um giro pela feira do livro ao jantar rústico, perdidos pela invicta em “Maisons de France” – atravesso a semana com êxito, carne à prova na pedra, nacos quentes de integração conceptual e novas realidades se revelam. Décadas atrás, um rei sem roque devolve a linha ao seu destino nos gráficos naturais da actualidade; muitas guerras no horizonte do porvir, presentes e futuras. O gosto da solidão televisiva e angustiante, após mais um convívio maravilha, na bicha em salto alto, da vacaria prodigiosa à MaryLx e logo monsanto, nesta prisão dos subúrbios.
Desci a liberdade de cravo na mão, gambas na riba d’ouro, abaixo de são jorge, ouvindo as vinte e quatro horas entre coimbra e águeda que antecederam a revolução de há trinta e cinco anos; após a greve de fome (salvação da soja), sigo o sujo percurso urbano_ferroviário de domingo para amêijoa, pica-pau, caracóis e caracoletas no germano com casais amigos; mafia wars até às tantas, zeroes e chicks on speed, o redford e o ruffalo tomam uma cadeia de assalto e sobem a bandeira; erva para todos nos seus planos persecutórios. Acordo with a blitz, pela crónica de alexandre pais sobre a aceitação da diferença na (re)constituição de famílias por adopção.
Agora a fuga da madrugado num dia assim, porque o nosso amor é clandestino... e as leis mudam!

2 comentários:

Daniel Silva (Lobinho) disse...

Parabéns! tens um texto que é uma autentica viagem gastronomica, de meandros de vida e pessoal. Muito bem escrito.

abraços :)

pinguim disse...

Ophiu
não me canso de seguir os teus percursos e só o facto de conhecer-te razoavelmente e também a forma de escrever, incomparável, me fazem entender os labirintos das tuas postagens.
Estás preparado para a grelhada mista? Recebeste, com certeza, as "coordenadas" que te mandei, mas o mérito é todo do Paulinho, na boa esquematização.
Abração e até dia 9...