01 maio 2010

Both_Sides

A sala onde me enclausuro até é agradável ao final da tarde pós_molhada, com a luz forte que a enche, recortada pelas grades. Silencia-se a semana e as decisões gravitam sem forças de atracção. Salva-se a técnica apurada mas descuidada nos tempos, o bunker de rolos de pêlos para corridas de sono em que se transformou a casa de ramos secos, o desgaste do papel biográfico individual - a feira rápida antes do rally da falperra para o colega desolado com a mãe conselheira que me arrastou até penedones para me castelar em monte_alegre onde convergem em subducção; romance(s) de genji, agenda guevara e o de abaixo antes de verificar porque não quero ali ficar. O amor vai para o algarve. Parabéns à mãe.
E hoje, em conta_quilómetros de linha férrea, prendo-me na catenária para descarregar a tensão: mocas lindas, livres, ressurgir pelos amigos encontrados na bruma das robíneas e dos vulcões que co_insistem, agregam e expiram. Quero homenagear o jantar à noite, voltar a ter o sorriso da criança grande e o chá de amanhã em frente ao mar...



"À porta de uma pequena construção, o director despediu-se: «Deixo-o agora, senhor Meursault. Estou às suas ordens, no escritório. Em princípio, o enterro está marcado para as dez horas da manhã. Pensámos que o senhor podia assim passar a noite a velar. Uma última coisa: parece que a sua mãe exprimiu várias vezes, aos amigos, o desejo de ter um enterro religioso. Tomei à minha conta este encargo. Mas queria pô-lo a par.» Agradeci-lhe. Embora sem ser ateia, enquanto viva a mãe nunca pensara na religião. Entrei. Era uma sala muito clara, caiada e coberta por uma vidraça. Mobilavam-na algumas cadeiras e cavaletes em forma de XX. Dois deles, ao meio da sala, suportavam o caixão coberto. Viam-se apenas parafusos brilhantes, mal enterrados, destacando-se da madeira pintada de casca de noz. Perto do caixão estava uma enfermeira árabe, de bata branca, com um lenço colorido na cabeça. Neste momento, o porteiro entrou por trás de mim. Devia ter corrido. Gaguejou: «Fecharam-no, mas eu vou desaparafusá-lo, para que o senhor a possa ver.» Aproximava-se do caixão, quando eu o detive. Disse-me: «Não quer?» Respondi: «Não.» Calou-se e eu estava embraçado, porque sentia que não devia ter dito isto. Ao fim de uns momentos, ele olhou-me e perguntou: «Porquê?», mas sem um ar de censura, como se pedisse uma informação. Eu disse: «Não sei.» Então, retorcendo os bigodes brancos, declarou, sem olhar para mim: «Compreendo.» O homem tinha uns bonitos olhos azuis-claros e uma pele um pouco avermelhada. Deu-me uma cadeira e sentou-se também, um pouco atrás de mim. A enfermeira levantou-se e dirigiu-se para a porta."

Albert Camus in O Estrangeiro pela Livros do Brasil, Pag.31

2 comentários:

Daniel Silva (Lobinho) disse...

Olá

Bem, tens poesia a rodos nas palavras supostamente descritivas e simples do teu texto. Ou eu ja nao passava aqui ha um tempo ou de facto estas linhas são pérolas de beleza e da maneira como contas. Masi do que descreveres de forma bela os teus estados, dá vontade de ler num só folego.

Abraço e quero mais :)

pinguim disse...

Foi bom voltar a ver-te...
Abraço grande.