18 março 2010

No Car(s)_Go

E começo a semana por pôr o carro no mecânico mas antes passo pela bomba do colégio para abastecer e verifico os preços com a senhora de sempre, encontro o senhor_rapaz encarregado da formação aguardando a aprovação das candidaturas às modulares; enquanto o depósito enche, cumprimento o senhor azevedo que fechou o mercado de baixo mas já circula por aí na venda de novos produtos e arranco, contornando a rotunda e entrego o veículo nas mãos do senhor teixeira para revisão, mudança de meio escape, filtros e pneus (também soldar o espelho lateral ) e sigo a pé para a escola; cumprimento a senhora negra em processo com o colega da noite louca, também crio a rotina de, nestes três dias, beber o café platina do maxi_pan onde encontro o vizinho de baixo e a rapariga de armações brancas do curso efa na biblioteca (aqui volto para tabaco, numa das noites, quase a fechar, depois de repetir o trio de maços durante dois dias pela manhã). A senhora da portaria saúda-me com entusiasmo, bem como o senhor do quiosque em frente, pela energia do equinócio; estou com os senhores silva de portefólios e níveis trocados, almoço com os colegas no príncipe do alto e a família sousa nos montes floridos da descida rural da cidade, sou de novo maternalmente transportado (tadi_nho!) e revelo o segredo médico na troca de alergias - primeira nocturna com o senhor H para relatórios, que termina com irritação pelo plágio; acordo na paternalidade da queda, peço para avisar e continuo até à entrega - não houve operação, só culpa e evitamento. Transporto computadores e mesas, deliro com coca-cola, feijoada de rabo na boca e a programação do nosso festival - chamado à recepção pelas cópias e enganos a cobrir, a coisa piora pelo cansaço óbvio, tudo se imprime e o senhor A aguarda a minha saída que se efectua sob um chuvasco necessário. Feliz, já com o novo selo no pára-brisas, lavo as superfícies da jóia e aqui estou "de volta p'ró meu aconchego". Amanhã ponho-me à estrada, depois da terceira noitada e telefonema do bisnau (porque sim - a devolver) e do mini (porque vem para cá - talvez...).

Fica este, publicado há três anos, também já tive trinta e um. (homenagem ao irmão velho)

2 comentários:

pinguim disse...

Vou tentar comprar um dicionário "Ophiu-Português", não porque não compreenda o uso das palavras, mas não consigo conectar algumas das ideias...
Talvez, depois de uns dias aí, entenda melhor...
Abração.

SP disse...

E por aqui continua a boa escrita_____________________

Um abraço assim «««