31 agosto 2008

Adap_Tracção

Fiquei a dormir em casa do novo amigo após jantar beirão, no seu sofá mas como não posso interromper a medicação, vim a casa buscar os comprimidinhos das nove. A desculpa será a escova de dentes e mudar de roupa, ao que se acrescenta um bom banho. Porque me convidou e à amiga que veio para o comício do bloco de esquerda no porto, a ir a Viana tomar o pequeno-almoço com vista marítima. E a justificação nesta manhã cinzenta será sempre encoberta...

Um videozinho da música que passava na RUM (rádio universitária do minho), sempre no carro e no trabalho, à chegada à torre da minha menagem. Os medos cavalgados a destruir, (ainda) é tempo de fingir, como dizem os management:




I'm feeling rough, I'm feeling raw, I'm in the prime of my life.
Let's make some music, make some money, find some models for wives.
I'll move to Paris, shoot some heroin, and fuck with the stars.
You man the island and the cocaine and the elegant cars.

This is our decision, to live fast and die young.
We've got the vision, now let's have some fun.

Yeah, it's overwhelming, but what else can we do.
Get jobs in offices, and wake up for the morning commute.
Forget about our mothers and our friends

We're fated to pretend
To pretend
We're fated to pretend
To pretend

I'll miss the playgrounds and the animals and digging up worms
I'll miss the comfort of my mother and the weight of the world
I'll miss my sister, miss my father, miss my dog and my home
Yeah, I'll miss the boredom and the freedom and the time spent alone.

There's really nothing, nothing we can do
Love must be forgotten, life can always start up anew.

The models will have children, we'll get a divorce
We'll find some more models, everything must run it's course.
We'll choke on our vomit and that will be the end

We were fated to pretend
To pretend
We're fated to pretend
To pretend

Yeah, yeah, yeah
Yeah, yeah, yeah
Yeah, yeah, yeah
Yeah, yeah, yeah


No final da tarde regresso de carro lavado e aspirado, almoço saudável q.b. porque no macdonald's do shoping da estação, esposende até ao farolinho e voltar pela ponte de fão, as torres e vivendas de ofir em contraste com algum ordenamento na apúlia, virar pela estela para a póvoa, passear com carrinho de bebé junto à praia, num dia pleno de sol, luz e calor.

4 comentários:

Catatau disse...

Um pequeno-almoço voltado ao Lima é sempre inspirador. São-o sempre, os que são voltados aos rios (experimenta voltado ao Cávado, voltado ao Neiva ou voltado ao Minho). Sempre que posso pasto pelo Douro - nem que seja para roer uma maçã. :)

Paulo disse...

o tempo sempre nos foge, sempre. e sempre nos saímos a perder. vá, a música é interessante mas a letra... é de cortar os pulsos e sangue agora não, please (isto sou eu e o meu humor negro, ok!). além disso, viver depressa e morrer jovem é coisa de herói homérico... isto é preciso é aproveitar cada dia e não nos esquecermos de vivermos e de sermos felizes, vale?

abraço

pinguim disse...

Olha, posso dizer-te por experiência própria, minha e do Déjan, que essa gente ai do Porto é espectacular(tirando o FCP, claro) e para cicerones não há melhores. Sugere-lhes uma jantarada no cais de Gaia, pode ser no Adão; e se avisarem o Teddy e o Litlle eles aparecem também.
Abraço.

Ophiuchus disse...

Em vez de laranjas nas falésias, agora podem ser uvas na azurara ;) E rios, sempre os rios... Abraço Catatau!

É triste mas entendes a minha fase introspectiva canceriana - lá fora as solicitações abundam e estes são os meus momentos de partilha de solidão. E o remédio é para prolongar esta dádiva existencial:)
Um grande e forte abraço, paulo.

Pois, tenho de marcar essa jantarada de tripas, Pinguim. Ou bacalhau ou posta de carne e bôlas para Todos! Os Bear's sairão do seu solar?