11 julho 2008

Páginas_Passadas

Demasiadas pedras foram levantadas no largo de são domingos, ao rossio,
em memória de massacres (não esquecer, mas sem bons ou maus, por favor!
– vamos continuar a tentar!). Vejamos melhores simbolismos
como os “pescadores” nesta rede! Neutralizando hierarquias nos actos,
inspirando-nos mutuamente.


Para todas as perguntas, pode ser encontrada uma resposta, assim se encontre quem seja capaz de as dar no momento certo. Foi o que aconteceu com o rabino Ben Hama, que perguntou:
- Porque são as palavras da Torah comparadas com o fogo?
- São comparadas com o fogo para nos mostrar que elas não se perdem na solidão do estudo e da reflexão, propagando-se como as labaredas que se multiplicam quando o fogo é ateado – responderam os doutores da lei.
- E – quis saber o rabino – porque são as palavras da Torah comparadas com uma árvore?
Desta vez a resposta veio dos outros rabinos, que disseram:
- São comparadas com uma árvore porque estão ligadas entre si como os ramos, o tronco e as folhas de uma árvore, podendo ser incendiadas quando o fogo as toca.
- E porque são elas comparadas com as ondas do mar?
Desta vez quem deu a resposta foram os discípulos de Ben Hama, que responderiam nestes termos:
- São comparadas com as ondas do mar porque nunca cessam de nascer e de correr em direcção à praia, trazendo sempre novas ideias.
Alguém perguntou então ao rabino se estava satisfeito com as respostas obtidas, e Ben Hama disse:
- Estou feliz, pois consegui aprender bastante com os doutores da lei, com os meus colegas rabinos e também com os meus alunos. Quem assim adquire conhecimentos, nunca esuecerá as palavras da Torah.

Recolha e adaptação de Lendas e Contos Judaicos por José Jorge Letria

Para baralhar e voltar a dar:
“Ser Homem é tender a ser Deus; ou, se se preferir, o Homem é fundamentalmente o desejo de ser Deus!”

Jean-Paul Sartre

6 comentários:

Paulo disse...

fiquei sem palavras!

Manuel Braga Serrano disse...

esses circunsisos (blerchhhh) sabiam-na toda, sabiam tanto que até nos ofereceram o sentimento de culpa para nos lixar, os mauzões!!!!

Catatau disse...

E porque é necessária tanta comparação?! As coisas que realmente nos preenchem são incomparáveis.

(Vi na fnac uma compilação de anedotas judaicas, ou sobre judeus, que tinha algumas pérolas. Uma, da velha história do lobo mau com o capuchinho judaico, era mais ou menos assim:
Capuchinho - Porque tens os olhos tão grandes?
Lobo - É para te ver melhor!
Capuchinho - Porque tens as orelhas tão grandes?
Lobo - É para te ouvir melhor!
Capuchinho - Porque tens o nariz tão grande?
Lobo - Olha quem fala!... :D )

Ophiuchus disse...

...levam-nas os ventos!!(as que não se registam!) Abraço Paulo.

Eu bem busco raizes judaicas lá para a beira baixa - também me tiraram o prepúcio (para além da culpa, mbs!) mas o meu pai escolheu o melhor disfarce - padre católico apostólico, romano!

Lol, Essa piada é muito boa, oh catatau! As lições da torah são uma seca! E isto porque aquilo,

Special K disse...

Devemos ter a humildade de reconhecer que estamos sempre a aprender. Mesmoos mestres aprendem com os seus alunos. Pena que para muita gente que está lá em cima, com a mania que é Deus, isso não seja bem assim.
Um abraço.

pinguim disse...

Andaste por Belmonte a ler Sartre, foi o que foi. Pois olha eu fiz-me circuncizar aos 23 anos (se calhar descobri uma costela judaica, nessa idade).