31 julho 2008

Um_Trinta & Um

Depois de pouco sono, encontrar com os monitores da praia_campo para as crianças da freguesia de benfica, ir buscar as “nossas” ao bairro e seguir para carcavelos a abarrotar. Aos gritos de ordem, marchas animadas seguem pelo túnel, ecoando musiquinhas bem treinadas, ocupam a sua área com sombrinhas, roupa e toalhas, são barradas de protector e esperam em jogos na areia ou ao sol pelo banho. Meia ciranda na entrada do mar onde, por grupo e em alguma segurança numa bandeira amarela, os miúdos entram e mergulham rapidamente, regressando então ao seu espaço demarcado para secar e merendar.

A segunda vez já é mais caótica mas mais divertida; repetem o processo juntos, à molhada, num maior prolongamento por se enrolarem nas ondas. Dali para o parque das nações para almoço em paredes_meias com o pavilhão do conhecimento, pequenas fugas para exploração a pares do passeio de ulisses e, entre zangas, amuos e birras, organizamo-nos para entrar na exposição “Que Nojo!” – agora sim, têm muito para explorar em duas horas – depois do corpo, as precoces leis da física. De regresso à boavista, uma reunião com os mais velhos para delinear os últimos pormenores sobre as actividades lúdico-desportivas e estadia durante o acantonamento na praia azul, no próximo fim_início de semana.

Pessoas contactam, chegam, voltam, talvez pelas férias! A ampa está cá e também se chateia com a mãe: falo com o marido que regressa à bretanha, que ela diz ter dois amantes nas malvinas, um espanhol e outro brasileiro; a amiga também está deprimida por falta de sexo e paixões platónicas, o bravo sanduliak estará sempre disponível a dar-lhe o seu amor; o mano racha a cabeça na água, interrompe a recuperação em belmonte e goza com a irmã do cunhado; as miúdas estão óptimas e o giestas presente. Jantamos no chafariz da porcalhota e pela manhã damos um giro no bairro.
Já temos net no espaço: agora está totalmente operacional.

Umas nuvenzinhas ensombram e abafam... (...e o presidente lembra inconstitucionalidades nos açores?!)

9 comentários:

pinguim disse...

As actividades lúdicas com a pequenada é salutar e traz uma compensação interior por as ver felizes que nada neste mundo paga.
Bem hajas...
Abraço.

carpe diem disse...

Nos meus passeios matinais à praia de Carcavelos já nos devemos ter cruzado ;)...

Obrigada pelo Yann Tiersen, e pela boa recordação de Good Bye Lenin!...

Hydrargirum disse...

Parece que fui arrastado para a confusão de mão dada com o texto, como se andasse a saltar de voz e fala, e de cabeça em cabeça...

Gostei deste texto:)

Socrates daSilva disse...

Que rico 31!
Não há dias iguais.
Abraço!

Ophiuchus disse...

É verdade, pinguim; é tão bom poder observá-las livres e poderes ajudar a resolver problemas, a animá-las, a explicar-lhes um pouco do que vêem, do que sentem...
Abraço

Duvido que é raro aí estar- mais caparicas, mecos ou ericeiras. Mas, quem sabe? Agradeço a visita.
Beijinho, CD

Deste mesmo com todo o sentido, hidrargyrum! Muito obrigado pela pontaria! Abraço

A loucura, Sócrates, a loucura ;P
(ontem andei a percorrer o teu blog todinho - sentir/conhecer)

Socrates daSilva disse...

Ui! O que será que lá encontras-te?
(Muita loucura decerto...)
Abraço

Special K disse...

Fizeste-me recordar bons velhos quando levava os miúdos de uma Junta da Amadora à praia na Costa. Aturar aquelas pestinhas, que hoje já são adultos, foi uma experiência magnífica.
Um abraço.

Ophiuchus disse...

Não, fui às origens e é bom ver como crescemos! Grande, Sócrates!

Então sabes, K, que no meio dos terrores do dia-a-dia, sempre a esperança em gestos, palavras e olhares! Abraço

Paulo disse...

tanta coisa, tudo à mistura. gostei dos cruzamentos das realidades paralelas. realmente, no meio disto tudo, a inconstitucionalidade...

abraços, gajo!